Prevalência e gravidade da perda ponderal em pacientes com câncer

  • Cristina Oliveira da silva Universidade Feevale
  • Simone Bernardes Universidade Feevale
Palavras-chave: Perda de peso, Estado nutricional, Neoplasias, PERDA DE PESO, TUMORES MALIGNOS, ADOLESCENTE, METABOLISMO, ESTADO NUTRICIONAL

Resumo

Objetivo: Identificar a prevalência e a severidade da perda ponderal involuntária (PPI) em pacientes portadores de tumores malignos, e fatores clínicos e terapêuticos associados. Métodos: Foi realizado um estudo transversal com 70 pacientes oncológicos assistidos pela Liga Feminina de Combate ao Câncer de Novo Hamburgo (LFCC/NH) (RS), com idade >18 anos, de ambos os gêneros. As informações clínicas foram obtidas por meio da aplicação de um questionário estruturado. O peso atual e a altura foram medidos. O estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa Universidade Feevale (RS). Resultados: A idade média dos pacientes foi de 58,4 ± 12,8 anos, com maior proporção do gênero feminino (52,9%). A PPI foi verificada em 82,9% dos casos, com percentual mediano de 18,2% (Intervalo de Confiança - IC95%: 11,1 – 28,1), sendo a perda grave a mais prevalente (58,6%). A PPI foi significativamente maior entre os homens comparativamente às mulheres (81,8% vs 54,1%; p=0,027), e nos indivíduos portadores de tumores do aparelho digestivo (90%), cabeça e pescoço (78,9%) e aparelho reprodutor masculino (66,7%) (p< 0,001). Conclusão: Observou-se uma elevada prevalência de PPI entre os pacientes com câncer, com predomínio de perda grave. Assim, o reconhecimento precoce do risco nutricional é fundamental a esse grupo, de forma que a dieta prescrita possa minimizar os efeitos catabólicos da doença.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Montenegro MR, Franco M. Patologia. Processos Gerais. 4.ed. São Paulo, Atheneu, 1999.

Baracat FF, Fernandes JR, Silva, MJ. Cancerologia Atual. Um enfoque multidisciplinar. São Paulo: Roca; 2000.

Inquérito Brasileiro de nutrição oncológica. [Internet] Rio de Janeiro: INCA - Instituto Nacional do Câncer; 2013. Available from: http://www.cfn.org.br/eficiente/repositorio/documentos%20novos/736.pdf.

Guimarães BM, et al. Instituto Nacional do Câncer - INCA. Estimativa 2014: Incidência de câncer no Brasil. Rio de Janeiro. RJ, 2014.

Pinho NB, Oliveira GPC, Correia MITD. et al. Projeto diretrizes, Terapia Nutricional na Oncologia. 2011.

Silva, MPN. Síndrome da anorexia-caquexia em portadores de câncer. Rev. bras. cancerol. 2006 Jan-Mar.

Carvalho G, Camilo ME, Ravasco P. Qual a relevância de nutrição em oncologia? Acta Med Port. 2011;24(S4):1041-1050.

Toscano BA, Coelho MS, Abreu HB. et al. Câncer: implicações nutricionais. Com. Ciências Saúde. 2008.v.19,n.2,p.171-180.

Waitzberg, D.L; Caiffa, W.T; Correi, M.I.T.D. Hospital malnutrition: the Brazilian national survey (IBRANUTRI): a study of 4000 patients. Nutrition. 2001;17:573-80.

Organización Mundial de la Salud. El estado físico: uso e interpretación de la antropometría. Genebra: OMS; 1995. p.452. OMS, Serie de Informes Técnicos, 854.

Lipschitz DA. Screening for nutritional status in the elderly. Prim Care. 1994; 21:55-67.

Inquérito Brasileiro de nutrição oncológica. [Internet] Rio de Janeiro: INCA – Instituto Nacional do Câncer; 2015. Available from:http://www.cfn.org.br/eficiente/repositorio/documentos%20novos/736.pdf.

Knauth, D.R.; Couto, M.T.; Figueiredo, W.S. A visão dos profissionais sobre a presença e as demandas dos homens nos serviços de saúde: perspectivas para a análise da implantação da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem.Ciênc. saúde Colet. 2012; 17 (10): 2617-2626.

O câncer e seus fatores de risco: O que a educação pode evitar? 2ªed. Rio de Janeiro: INCA – Instituto Nacional do Câncer, 2013. Available from:http://www1.inca.gov.br/inca/Arquivos/pdf_final_Cancerfatoresrisco.pdf.

Bozzetti, F. Nutritional support of the oncology patient. Crc Cr Rev Oncol-Hem. 2013; 87 (2): 72-200.

Firme, L. E, Gallon, C. W. Perfil nutricional de pacientes com carcinoma esofágico de um hospital público de Caxias do Sul. Rev. bras. cancerol. 2010; 56(4): 443-451.

Alshadwi A, Nadershah M, Carlson ER, Young LS, Burke PA, Daley BJ. Nutritional considerations for head and neck cancer patients: a review of the literature. J. Oral Maxillofac. Surg. 2013; 71(11):1853-60.

Chavoni, R. C,Silva, P. B, Ramos, G. H. A. Diagnóstico nutricional de pacientes do serviço de cabeça e pescoço e sua relação com a disfagia em um hospital oncológico do Paraná. Rev. Bras. Cir. Cabeça e Pescoço. V.43. nº 1. p 35-41. 2014.

Kligerman, J. O Câncer como um Indicador de Saúde no Brasil. Rev. bras. cancerol. - Volume 45 n°3 Jul/Ago/Set 1999. Disponível em: http://www.inca.gov.br/rbc/n_45/v03/editorial.html. Acesso em: 14 de dezembro de 2015.

Gomes, R; Nascimento, E. R; Araújo F. C. Por que os homens buscam menos os serviços de saúde de que as mulheres? As explicações de homens com baixa escolaridade e homens com ensino superior. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 23(3): 565-574. 2007.

Bertoldo, S.A; Pasquine, V. Z. Câncer de próstata: um desafio para saúde do homem. Revi Enfer UNISA. 2010; 11(2): 138-42.

Publicado
2017-07-30
Como Citar
Oliveira da silva, C., & Bernardes, S. (2017). Prevalência e gravidade da perda ponderal em pacientes com câncer. Revista Da Associação Brasileira De Nutrição - RASBRAN, 8(1), 70-74. Recuperado de https://www.rasbran.com.br/rasbran/article/view/328
Seção
Artigos Originais